Mão estendida em fundo de paisagem, um convite para dar as mãos, confiar.

Convite à confiança

19/08/2021
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Mattityahu (Mt) 8:5-13

Entrando Jesus em Cafarnaum, dirigiu-se a ele um centurião, pedindo-lhe ajuda. E disse: "Senhor, meu servo está em casa, paralítico, em terrível sofrimento".

Jesus lhe disse: "Eu irei curá-lo".

Respondeu o centurião: "Senhor, não mereço receber-te debaixo do meu teto. Mas dize apenas uma palavra, e o meu servo será curado. Pois eu também sou homem sujeito à autoridade, com soldados sob o meu comando. Digo a um: ‘Vá’, e ele vai; e a outro: ‘Venha’, e ele vem. Digo a meu servo: ‘Faça isto’, e ele faz".

Ao ouvir isso, Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam: "Digo-lhes a verdade: Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé.

Eu lhes digo que muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos céus.

Mas os súditos do Reino serão lançados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes".

Então Jesus disse ao centurião: "Vá! Como você creu, assim lhe acontecerá! " Na mesma hora o seu servo foi curado.


Podemos analisar este texto em alguns aspectos muito interessantes.

Quando Yeshua chegou já na cidade de Cafarnaum, diz o texto que, aproximou-se dele esse oficial romano.

Só isso já é algo de admirar porque nós sabemos muito bem que Israel estava sob domínio de Roma, e a conquista era a imposição.

Eles não foram convidados para administrar Israel, mas conquistaram a terra usando da força e dominaram as autoridades, os recursos, as pessoas e, até mesmo lá em Cafarnaum, uma cidadezinha pequena a beira do Mar da Galiléia, tinha uma representação, um comando do governo romano. Estava ali um oficial que tinha, sem dúvida, uma tropa para manter sob o domínio romano.


De uma maneira geral nós vemos que os romanos tanto não eram muito bem vistos pelos judeus como, ao mesmo tempo, eram arrogantes

Esse oficial não era uma pessoa comum, mas ele reconheceu em Yeshua o poder para curar por ouvir falar, mas ele mesmo não tinha assistido nenhuma vez Yeshua curar alguém.

Mas ele se aproximou Dele e pediu. Ele não mandou, também não mandou chamar. Ele foi humilde, e pediu para que Yeshua curasse o seu servo.


Yeshua até se dispôs a ir na casa dele como tantas vezes deve ter feito com muitas pessoas, mas aquele oficial não demonstrou arrogância ao impedir Yeshua de ir até lá.

Era até estranho para um judeu ir na casa de um gentio, mas nesse caso ele não fez por arrogância, e sim porque ele se sentiu  indigno, sentiu que não tinha condições de receber O receber, porque Yeshua era muito especial.

Aquele oficial romano disse que Yeshua não precisa ir até lá, porque Ele tinha autoridade para dizer para o seu servo ser curado e ele seria curado!

Porque ele reconheceu da mesma maneira que ele, como oficial, tinha autoridade sobre soldados e servos, ele também reconhecia em Yeshua o poder para fazer isso de qualquer lugar.


Curioso é que Yeshua mesmo reconheceu nesse homem sinceridade, porque aquilo não era algo que estava sendo feito de forma externa apenas, mas de fato ele confiava plenamente, a tal ponto que Yeshua chegou a dizer que em Israel ele não tinha  ainda visto alguém confiar como esse oficial romano estava confiando.


Então é algo realmente significativo isto, é algo que nós temos que admirar também.

E Yeshua, nesse sentido, deixou claro isto.

E sabemos que no mesmo momento em que Yeshua ordenou, o servo dele ficou curado na casa dele, então ele soube quando, sem dúvida nenhuma, a notícia correu por lá.


Isso demonstra uma coisa importante, que nós também temos que confiar em Yeshua a tal ponto de nós não precisamos de coisas extras.

Tantas pessoas ficam fazendo coisas como se quisessem subornar a D'us, como se quisessem fazer pelo seu esforço conseguir o favor de D'us. Em tantas coisas as pessoas querem obrigar  D'us a fazer as coisas como se não confiassem, como se D'us não realizasse se nós não fizermos alguma coisa.


Veja esse exemplo que lemos, ele era um oficial militar romano, mantinha a ordem pela força da espada e as pessoas eram obrigadas a se submeter a ele, mas ele confiou de tal maneira em Yeshua, que disse que Ele não precisava ir lá fazer nada, não precisava fazer nenhum ritual, nenhuma cerimônia, mas apenas mandar.


Se aquele oficial pôde confiar dessa maneira, como nós devemos fazer?


Nós temos que ter um grau de confiança no nosso D'us que não dependa de nada, simplesmente o nosso D'us é poderoso para fazer, e confiar que Ele vai fazer.

Eu não sei de onde aquele homem conseguiu entender isto, mas ele entendeu, e entendeu mais do que os próprios discípulos, mais do que os judeus que eram conhecedores da Torá, ele entendeu muito bem isto.

Yeshua deixou claro: eu não vi em Israel uma pessoa que confiasse tanto, que tivesse tanta fé!


Então se nós conhecemos Yeshua, se temos sido transformados, temos que realmente confiar.

Quando Yeshua, na última celebração de Pessach, instituiu o Seudat, Ele instituiu afirmando que iria voltar, que iria tomar o cálice do fruto da vide novamente conosco.


Ele prometeu porque Ele vai fazer! Ele vai cumprir tudo o que ele disse, nada deixará de se cumprir. Ele vai voltar!


Nós vamos passar por lutas, nós teremos dificuldades, mas nós vamos levar a palavra dEle e vamos saber que milagres vão acontecer.

Os sinais seguem os que crêem e nós vamos levar a palavra porque nós vamos ver pessoas se rendendo a Yeshua, vamos ver judeus reconhecendo Yeshua como Messias, vamos ver gentios se arrependendo dos seus pecados e também recebendo a salvação em Yeshua.

Nós temos que confiar que Ele vai fazer e nos usar. Não temos que fazer nada sobre isto porque não depende do nosso esforço e não depende do que nós programamos. Ele vai fazer!


Nós temos que realmente exercitar a nossa confiança, a nossa fé e que isso seja realmente uma experiência diária.

Então reavalie o quanto você confia em Yeshua.

Você consegue confiar tanto quanto aquele oficial romano?

Ou conforme pessoas que apenas queriam ver os milagres e acham que tem que se esforçar com alguma coisa para que D'us ache que você merece receber algum benefício?


Lembre que você não depende de merecer, o nosso D'us nos supre pela Sua misericórdia.


Ele cura os enfermos porque tem compaixão pelo sofrimento, Ele abre as portas porque sabe de nossas necessidades e Ele faz tudo o que precisa ser feito porque Ele pode fazer e quer fazer.


Então vamos realmente ficar firmes, e realmente dedicar a nossa confiança total no Senhor, sabendo que vivemos já os tempos finais.


Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

Sucot Significado e Celebração

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais