Como celebramos o Yom Kipur

07/10/2019
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Dez dias depois de Yom Teruá, celebramos o Yom Kipur;


“E no dia dez deste sétimo mês tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; nenhum trabalho fareis. Mas por holocausto, em cheiro suave ao Senhor, oferecereis um novilho, um carneiro e sete cordeiros de um ano; eles serão sem defeito.
E, pela sua oferta de alimentos de flor de farinha misturada com azeite, três décimas para o novilho, duas décimas para o carneiro, E uma décima para cada um dos sete cordeiros;
Um bode para expiação do pecado, além da expiação do pecado pelas propiciações, e do holocausto contínuo, e da sua oferta de alimentos com as suas libações. Números 29:7-11”

 

O dia da expiação era o dia em que o sumo sacerdote separava dois bodes;


“Também tomará ambos os bodes, e os porá perante o Senhor, à porta da tenda da congregação. E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma pelo Senhor, e a outra pelo bode emissário. Então Arão fará chegar o bode, sobre o qual cair a sorte pelo Senhor, e o oferecerá para expiação do pecado. Mas o bode, sobre que cair a sorte para ser bode emissário, apresentar-se-á vivo perante o Senhor, para fazer expiação com ele, a fim de enviá-lo ao deserto como bode emissário. Levítico 16:7-10”

“Depois degolará o bode, da expiação, que será pelo povo, e trará o seu sangue para dentro do véu; e fará com o seu sangue como fez com o sangue do novilho, e o espargirá sobre o propiciatório, e perante a face do propiciatório. Assim fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, e de todos os seus pecados; e assim fará para a tenda da congregação que reside com eles no meio das suas imundícias. E nenhum homem estará na tenda da congregação quando ele entrar para fazer expiação no santuário, até que ele saia, depois de feita expiação por si mesmo, e pela sua casa, e por toda a congregação de Israel. Então sairá ao altar, que está perante o Senhor, e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho, e do sangue do bode, e o porá sobre as pontas do altar ao redor. E daquele sangue espargirá sobre o altar, com o seu dedo, sete vezes, e o purificará das imundícias dos filhos de Israel, e o santificará.
Havendo, pois, acabado de fazer expiação pelo santuário, e pela tenda da congregação, e pelo altar, então fará chegar o bode vivo. E Arão porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem designado para isso. Assim aquele bode levará sobre si todas as iniquidades deles à terra solitária; e deixará o bode no deserto. Levítico 16:15-22”

Vemos que Yom Kipur não é o dia designado para nós buscarmos o perdão dos nossos pecados individuais que cometemos durante todo o ano.
Como messiânicos sabemos que os nossos pecados já foram justificados pelo sacrifício de Yeshua no madeiro e não precisamos de um dia especial para isso.
No período bíblico antes do Mashiach, o sacerdote fazia a oferta de um bode pelos pecados do povo, ou seja, pelos pecados coletivos do povo, como também os confessava na cabeça do bode que seria levado ao deserto. Desta forma, já que não há mais como um sacerdote realizar a cerimônia no templo, o que devem os messiânicos fazer?
Nós assumiremos a função dos sacerdotes e iremos interceder pelo povo de Israel, devemos apresentar um povo pecador, que não reconheceu ainda a oferta do Korban perfeito que foi Yeshua, sacrificado uma única vez pelos pecados de cada pessoa que nele crer. Vamos cumprir a ordenança de jejuar e intercederemos para que cada judeu na face da terra tenha oportunidade de conhecer e reconhecer Yeshua como Messias e Salvador.

Aproveite esta oportunidade, também, para dar uma revisada geral na sua vida e veja se, por acaso, não escapou alguma coisa e se acerte com o Eterno.

Como o dia na cultura judaica começa após o por do sol, iniciamos o nosso jejum nesse momento, quando começa o Yom Kipur. Temos sempre um serviço especial de início que começa no “erev Yom Kipur”, após o que iremos para casa e retornaremos pela manhã ainda em jejum, e realizaremos mais um serviço que se encerra ao meio dia, retornaremos à congregação no final de tarde para o serviço de “Neilá” ou encerramento do jejum com o toque do shofar (Lv 25.9), e oramos para que cada alma judia ouça a voz que chama para serem verdadeiramente inscritos no “livro da vida”. Durante os três serviços, além de pontos tradicionais que realizamos, daremos ênfase na intercessão pela salvação das “ovelhas perdidas da casa de Israel”, pois não há nada mais importante nesse dia do que exaltarmos o propósito do Eterno para com a salvação individual de cada judeu espalhado pelo mundo.

 

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

O perdão em duas vias

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais