Silhueta de dois camelos com duas pessoas em cima de cada camelo e uma pessoa a frente puxando o primeiro camelo

Os Patriarcas: Isaque

05/11/2022
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Neste estudo falaremos sobre os patriarcas, os genitores do povo Hebreu.

O segundo patriarca foi Isaque;

Então Deus respondeu: "Na verdade Sara, sua mulher, lhe dará um filho, e você lhe chamará Isaque. Com ele estabelecerei a minha aliança, que será aliança eterna para os seus futuros descendentes. Gênesis 17:19

O filho de Abraão foi dado milagrosamente ao patriarca, bem como o nome foi escolhido pelo Eterno, e significa literalmente “ele ri”.

Foi dada a garantia de haver uma aliança independente de qualquer ação por parte do jovem filho do velho caldeu.


Abraão teve outros filhos, mas somente Isaque teve a promessa;

E no caso de Ismael, levarei em conta o seu pedido. Também o abençoarei; eu o farei prolífero e multiplicarei muito a sua descendência. Ele será pai de doze príncipes e dele farei um grande povo.

Mas a minha aliança, eu a estabelecerei com Isaque, filho que Sara lhe dará no ano que vem, por esta época". Gênesis 17:20,21

Ele nem tinha nascido ainda, mas a promessa estava feita.


Muito cedo ele pôde aprender algo sobre como o seu pai confiava no Eterno;

Abraão pegou a lenha para o holocausto e a colocou nos ombros de seu filho Isaque, e ele mesmo levou as brasas para o fogo, e a faca. E caminhando os dois juntos, Isaque disse a seu pai Abraão: "Meu pai! " "Sim, meu filho", respondeu Abraão. Isaque perguntou: "As brasas e a lenha estão aqui, mas onde está o cordeiro para o holocausto?"

Respondeu Abraão: "Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho". E os dois continuaram a caminhar juntos. Gênesis 22:6-8

Não devemos especular qual era a idade de Isaque porque a Torá não diz qual era, somente sabemos que ele cresceu o suficiente para poder carregar a lenha para o holocausto.

O que também podemos dizer, é que Isaque conviveu com as atividades de sacrifício e holocaustos que o seu pai realizou, aprendeu sobre o Deus que falou com o seu pai. Por isso que ele estranhou a ausência do cordeiro na subida do monte.

Essa experiência de Isaque lhe ensinou que o Eterno age de maneira muito real e a sua vida foi salva pelo Deus do seu pai, o que o levaria também a confiar da mesma forma.


Após a morte de sua mãe, Isaque continuou vivendo com o seu pai nos altos de Canaã, cuidando junto com ele de todo o patrimônio, principalmente do rebanho.

Os anos se passaram e Abraão percebeu que Isaque precisava estabelecer família por vários motivos, eles viviam isolados dos povoados, Isaque estava maduro o suficiente e era necessário que o seu filho desse sequência à sua descendência. Contudo, Abraão se preocupava com a cultura dos povos locais e imaginava que uma esposa desses povos poderia desviar o seu filho do caminho do Eterno seguindo os deuses locais e comprometer a sua descendência.

Devido a isso ele encarregou o seu servo mais próximo de procurar uma esposa para ele;

e jure pelo Senhor, o Deus dos céus e o Deus da terra, que não buscará mulher para meu filho entre as filhas dos cananeus, no meio dos quais estou vivendo, mas irá à minha terra e buscará entre os meus parentes uma mulher para meu filho Isaque". Gênesis 24:3,4

É difícil afirmarmos os motivos porque ele julgou melhor escolher uma noiva entre a sua parentela, afinal eles não seriam menos idólatras do que os cananeus, poderíamos especular vários motivos, mas seriam apenas especulações.

No final, o servo de Abraão trouxe Rebeca para ser a esposa de Isaque.


Temos poucos detalhes sobre a rotina da família de Abraão, mas observemos alguns detalhes interessantes;

Isaque tinha voltado de Beer-Laai-Roi, pois habitava no Negueve.

Certa tarde, saiu ao campo para meditar. Ao erguer os olhos, viu que se aproximavam camelos. Gênesis 24:62,63

Observemos que Isaque saiu em uma certa tarde para MEDITAR.

O ambiente era propício para a meditação, era ermo, silencioso e agradável. Não sabemos como era a sua rotina de meditação, mas possivelmente envolvia pensamentos sobre a sua vida em todos os aspectos, sua vida com o seu pai, as expectativas sobre a sua vida, sobre quem o servo do seu pai traria para casar com ele, e inúmeros outros pensamentos possíveis.

Foi nessa hora que viu a caravana de Eliezer e Rebeca.


No final das contas todo o esforço mostrou que foi dirigido pelo Eterno;

Isaque levou Rebeca para a tenda de sua mãe Sara; fez dela sua mulher, e a amou; assim Isaque foi consolado após a morte de sua mãe. Gênesis 24:67

Parece não ter havido uma cerimônia muito especial tal como conhecemos sobre casamentos, mas a união foi confirmada diante de todos, e o mais importante eles se amaram.


De alguma forma Isaque mantinha algum contato com o seu meio-irmão Ismael;

Abraão viveu cento e setenta e cinco anos.

Morreu em boa velhice, em idade bem avançada, e foi reunido aos seus antepassados.

Seus filhos, Isaque e Ismael, o sepultaram na caverna de Macpela, perto de Manre, no campo de Efrom, filho de Zoar, o hitita, campo que Abraão comprara dos hititas. Foi ali que Abraão e Sara, sua mulher, foram sepultados. Gênesis 25:7-10

Isaque recebeu toda a herança do seu pai, mas Ismael participou do sepultamento de Abraão.


Agora toda a atenção do Eterno estava na vida de Isaque;

Esta é a história da família de Isaque, filho de Abraão: Abraão gerou Isaque, o qual aos quarenta anos se casou com Rebeca, filha de Betuel, o arameu de Padã-Arã, e irmã de Labão, também arameu.

Isaque orou ao Senhor em favor de sua mulher, porque era estéril. O SENHOR respondeu à sua oração, e Rebeca, sua mulher, engravidou. Gênesis 25:19-21

Havia uma grande expectativa na vida de Isaque, pois a existência da promessa feita a Abraão de ter uma grande descendência implicava em que ele tivesse filhos, mas um impedimento humano parece que encerraria a possibilidade de isso se cumprir, Raquel era estéril, seria impossível ela gerar filhos.

Aquela era a hora de Isaque mostrar que aprendera alguma coisa com o seu pai sobre o Deus que o havia tirado da Caldéia, ele orou ao Deus certo e recebeu a resposta, dois filhos foram gerados simultaneamente.


Era a primeira e única gestação que Rebeca teria, mas algo chamou a sua atenção;

Os meninos se empurravam dentro dela, pelo que disse: "Por que está me acontecendo isso? " Foi então consultar o Senhor.

Disse-lhe o Senhor: "Duas nações estão em seu ventre, já desde as suas entranhas dois povos se separarão; um deles será mais forte que o outro, mas o mais velho servirá ao mais novo". Gênesis 25:22,23

Nos tempos antigos só se saberia o que estava acontecendo no útero de uma mulher depois do nascimento, mas no caso de Rebeca, as crianças estavam bastante agitadas.

O texto dá indicação de que uma boa coisa aconteceu para Rebeca por ter deixado seus pais em Harã, ela conheceu o Deus de Abraão e também de Isaque, e assim teve a quem recorrer para saber o que estava acontecendo no seu ventre, e não somente descobriu que haviam gêmeos, como também soube o que aconteceria no futuro dos seus filhos, confirmando as promessas do Eterno.


Isaque esperou vinte anos para poder ver o surgimento da sua descendência;

O primeiro a sair era ruivo, e todo o seu corpo era como um manto de pelos; por isso lhe deram o nome de Esaú.

Depois saiu seu irmão, com a mão agarrada no calcanhar de Esaú; pelo que lhe deram o nome de Jacó. Tinha Isaque sessenta anos de idade quando Rebeca os deu à luz. Gênesis 25:25,26

Nessa hora, Rebeca sabia tudo o que iria acontecer com os seus filhos, porque foi ela que teve a experiência com o seu Deus.

Deduzo que ela tenha contado ao seu marido sobre a revelação que teve, mas Isaque não tinha a mesma convicção que Rebeca tinha.


De crianças passaram a adultos formados;

Os meninos cresceram. Esaú tornou-se caçador habilidoso e vivia percorrendo os campos, ao passo que Jacó cuidava do rebanho e vivia nas tendas.

Isaque preferia Esaú, porque gostava de comer de suas caças; Rebeca preferia Jacó. Gênesis 25:27,28

Podemos admitir que os pais pudessem ter preferências entre os filhos, Isaque não teve a sua preferência moldada pela revelação divina, mas como homem do campo, valorizava os dotes viris do seu primogênito, mas Rebeca valorizava o que já sabia sobre o segundo na linha da herança, e nenhum dos dois escondiam as suas escolhas.


Isaque não vivenciou o que o seu pai tinha experimentado anteriormente em termos de seca, mas foi tentado a agir da mesma forma que Abraão, somente que dessa vez o Eterno interferiu e o impediu de se deslocar para o Egito;

Houve fome naquela terra, como tinha acontecido no tempo de Abraão. Por isso Isaque foi para Gerar, onde Abimeleque era o rei dos filisteus.

O Senhor apareceu a Isaque e disse: "Não desça ao Egito; procure estabelecer-se na terra que eu lhe indicar. Gênesis 26:1,2

Isaque pode não ter sido um exemplo de fidelidade ao Eterno, mas não deixou de obedecer no que foi necessário para dar continuidade à linhagem de Abraão.


Isaque ficou em Gerar, na terra dos filisteus;

Quando os homens do lugar lhe perguntaram sobre a sua mulher, ele disse: "Ela é minha irmã". Teve medo de dizer que era sua mulher, pois pensou: "Os homens deste lugar podem matar-me por causa de Rebeca, por ser ela tão bonita". Gênesis 26:7

Isaque caiu na mesma cilada que o seu pai Abraão já tinha caído, teve medo dos homens e falhou na confiança de que o Eterno o poderia livrar, por isso passou vergonha também.


Depois de tudo esclarecido o Eterno abençoou Isaque;

Isaque formou lavoura naquela terra e no mesmo ano colheu a cem por um, porque o Senhor o abençoou.

O homem enriqueceu, e a sua riqueza continuou a aumentar, até que ficou riquíssimo.

Possuía tantos rebanhos e servos que os filisteus o invejavam. Gênesis 26:12-14

É frequente que a bênção dada pelo Criador aos seus fiéis gere inveja naqueles que não recebem o mesmo, então é mais fácil querer impedir que o protegido seja abençoado do que reconhecer o Deus doador para ser tão abençoado quanto o outro.

Estes taparam todos os poços que os servos de Abraão, pai de Isaque, tinham cavado na sua época, enchendo-os de terra.

Então Abimeleque pediu a Isaque: "Sai de nossa terra, pois já és poderoso demais para nós". Gênesis 26:15,16

Iniciou uma disputa entre Isaque e os pastores da terra de forma que para onde ele fosse a abrisse um poço os locais os reivindicavam e ele tinha que se mudar, até que saiu da região onde os filisteus dominavam.


Apesar da preferência de Isaque por Esaú, esse não era exatamente o filho ideal;

Tinha Esaú quarenta anos de idade quando escolheu por mulher a Judite, filha de Beeri, o hitita, e também a Basemate, filha de Elom, o hitita.

Elas amarguraram a vida de Isaque e de Rebeca. Gênesis 26:34,35

Apesar de tudo, Isaque não mudou o tratamento com o seu filho.


O tempo passou e Isaque envelheceu;

Tendo Isaque envelhecido, seus olhos ficaram tão fracos que ele já não podia enxergar. Certo dia chamou Esaú, seu filho mais velho, e lhe disse: "Meu filho! " Ele respondeu: "Estou aqui". Gênesis 27:1

Eu creio que Rebeca chegou a contar a Isaque a sua experiência com o Eterno quando Ele disse que o mais velho serviria o mais novo, mas parece que Isaque não perdeu apenas a acuidade da visão física, mas com a visão da razão não atentou para o plano do Eterno, ele não levou em conta a negociação da primogenitura feita entre Esaú e Jacó e tentou alterar a definição divina, mas foi impedido pela astúcia de Jacó.


Quando Isaque percebeu que toda aquela situação ficou a ponto de haver um crime na família, então despachou o seu filho Jacó para Harã;

Então Isaque chamou Jacó, deu-lhe sua bênção e lhe ordenou: "Não se case com mulher cananeia.

Vá a Padã-Arã, à casa de Betuel, seu avô materno, e case-se com uma das filhas de Labão, irmão de sua mãe.

Que o Deus Todo-poderoso o abençoe, faça-o prolífero e multiplique os seus descendentes, para que você se torne uma comunidade de povos.

Que ele dê a você e a seus descendentes a bênção de Abraão, para que você tome posse da terra na qual vive como estrangeiro, a terra dada por Deus a Abraão". Gênesis 28:1-4

Finalmente Isaque aceitou que seria em Jacó que se cumpriria a promessa feita anteriormente a Abraão.


Isaque ficou no mesmo local por mais algumas dezenas de anos, já sem condições de administrar os seus bens;

Depois Jacó foi visitar seu pai Isaque em Manre, perto de Quiriate-Arba, que é Hebrom, onde Abraão e Isaque tinham morado.

Isaque viveu cento e oitenta anos.

Morreu em idade bem avançada e foi reunido aos seus antepassados. E seus filhos Esaú e Jacó o sepultaram. Gênesis 35:27-29

Isaque viveu tempo suficiente para ter um lugar como patriarca entre as tribos de Israel e continua sendo lembrado e citado em algumas bênçãos junto com Abraão e Jacó.

Isaque recebeu do Eterno a confirmação de que a sua descendência estaria diretamente ligada à aliança feita com o seu pai, e que o seu filho daria a sequência necessária.

Isaque garantiu o seu lugar na história por ter permanecido dentro do plano do Eterno de estabelecer um povo que levaria o seu nome. Ele invocou o nome do Criador e o adorou, mantendo um legado para a sua descendência.

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

A importância do nome Yeshua

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais