O perdão em duas vias

28/12/2020
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Há muitos anos, em uma época quando identificaram que um médico nazista refugiado no Brasil estava morto, houve uma grande comoção na comunidade judaica.

Um conhecido rabino disse, com todas as letras, durante uma entrevista com um repórter; - NÓS NUNCA PERDOAREMOS!

Acredito que essa expressão foi aceita como plenamente justificável por muitas pessoas, haja vista as grandes atrocidades cometidas pelo referido nazista, responsabilizado por infligir sofrimento atroz a um grande número de prisioneiros de um campo de concentração e também por ser responsável por muitas mortes.

Mas, será que a frase do rabino se fundamenta na Torá ou em um sentimento emocional e pessoal?

Seria mesmo um sentimento justificável?

Humanamente falando encontraremos muitas justificativas para dizer que ele estava certo.

Já ouvi até de pessoas que se dizem “bíblicas” expressões como; - eu não consigo perdoar tal pessoa!


Bem, entrando no mérito destes sentimentos, vamos buscar na Torá as instruções sobre esse importante assunto.


Eu, eu mesmo, sou o que apaga as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados me não lembro. Isaías 43:25

O Eterno é o primeiro a dar o exemplo de como lidar com a ofensa, e ainda devemos considerar o grau da ofensa, pois qualquer ofensa ao Criador será de uma gravidade inimaginável.

Agora atentem para a frase onde o Eterno diz que apaga as transgressões para o seu próprio bem. Certamente isso vale para nós também!

Mas se perdoar faz bem para Ele, certamente fará muito bem para nós.

Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para com todos os que te invocam. Salmos 86:5


Se o perdão divino é do agrado de Deus e saudável para nós, quando nós fazemos o mesmo faz bem para nós e para o nosso irmão.

Então, Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete?
Yeshua lhe disse: Não te digo que até sete, mas até setenta vezes sete. Mateus 18:21,22

Um esforço deve ser feito da nossa parte para que o nosso modo de viver seja conforme o modelo mostrado pelo Ruach em nossa vida.

...suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como o Messias vos perdoou, assim fazei vós também. Colossenses 3:13


Na verdade, nós não temos opção entre perdoar ou não se somos filhos de Deus.

E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas.
Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está nos céus, vos não perdoará as vossas ofensas. Marcos 11:25,26


Podemos também atentar para alguns detalhes sobre o que significa perdoar.

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. 1 João 1:9

O perdão da parte do Eterno não é automático, no sentido de que seremos perdoados sem que façamos algo, ou seja, pedir perdão confessando o pecado. Mas ao mesmo tempo temos a certeza de que o perdão do pecado já está pronto no propósito do coração do Eterno.

Perdoar também significa “relevar”, não levar em conta. Isso se faz unilateralmente, não depende da outra parte pedir perdão. Isso é o que realmente faz bem para nós mesmos.

Quando alguém comete um crime previsto em lei, poderão haver duas “vítimas”, alguém que foi prejudicado e a lei em si. Mesmo que esse alguém perdoe o agressor, ele ainda deverá prestar contas à lei.

No aspecto espiritual, quando uma pessoa peca, ela peca contra uma pessoa e contra Deus.

Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como, pois, faria eu este tamanho mal e pecaria contra Deus? Gênesis 39:9

José entendia bem isso, ele não queria pecar nem contra o seu senhor Potifar e nem simultaneamente contra o seu Deus.

Entendemos desse exemplo que uma pessoa poderá perdoar um agressor relevando o seu prejuízo, mas esse pecado não estará perdoado, pois o pecador precisará buscar o perdão junto à vítima e também o perdão do seu Deus. Ou seja, o filho de Deus pode ficar com a alma limpa por se dispor a perdoar de verdade, mas o transgressor só será livre de culpa somente se ele se arrepender de verdade e pedir perdão a todos os envolvidos.

Tratamos de forma mais direta qual deve ser a atitude dos ofendidos e como devem perdoar, mas não vamos esquecer que os agressores também tem uma responsabilidade ainda maior em se consertarem com o Eterno, pois o fato de alguém perdoar as suas más ações não o libera de se arrepender e pedir perdão, caso contrário, o ofendido será justificado, mas o agressor será condenado.


Na verdade, vos digo que todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, e toda sorte de blasfêmias, com que blasfemarem. Marcos 3:28

Eis uma grande revelação dita por Yeshua, isso nos dá grande esperança, entretanto, há uma única exceção, que é a continuação do texto;

Qualquer, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo. Marcos 3:29

Este texto, junto com o texto de;

Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se fizeram participantes do Espírito Santo,
e provaram a boa palavra de Deus e as virtudes do século futuro,
e recaíram sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus e o expõem ao vitupério. Hebreus 6:4-6

Isto porque o convencimento sobre o pecado e o entendimento sobre a salvação é ação do Ruach HaKodesh, e se alguém rejeita isso com consciência do que está fazendo, está rejeitando a ação do Espírito de Deus afastando-o de sua vida. Nunca mais será convencido do pecado.


Portanto, fica sempre um constante alerta em nossa vida sobre o perigo de não reconhecermos nossas faltas diante do Eterno, por isso exortemo-nos sempre como diz este texto;

Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado. Hebreus 3:13

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

Carta aos Hebreus - Parte 3

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais