No que cremos?

07/11/2020
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Antes, santifiquem o Messias como Senhor no coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. 1 Pedro 3:15

 

Como messiânicos devemos estar sempre prontos para responder aos questionamentos que podem vir de muitas direções.

Os principais são:

- Dos judeus – porque não creem que Yeshua seja o Messias.

- Dos cristãos – porque nos acusam de sermos judaizantes.

 

Dos judeus recebemos perguntas (ou afirmações) como estas;

- Os judeus ainda esperam pela vinda do messias, portanto não existe judeu messiânico.

R. O Messias já veio, porque Yeshua cumpriu as profecias sobre a sua vinda e não há possibilidade de outra pessoa assumir essa condição, portanto todo judeu que crer que Yeshua é o Messias será classificado como messiânico.

 

- Um judeu que se entende messiânico não é mais judeu, porque se alinhou com os cristãos que são nossos inimigos.

R. Um judeu que reconhece Yeshua como Messias se torna mais judeu do que era antes, pois ao reconhecer que Yeshua cumpre as promessas da Torá ele se dedica com mais afinco em conhecer tudo sobre a sua identidade judaica, vê que Yeshua foi essencialmente judeu, viveu como judeu, ensinou como judeu, se cercou de judeus e usou a Escritura dos judeus em tudo o que falou.

Um judeu messiânico se orgulha de suas raízes, defende Israel e vive sua cultura. A Torá é o seu fundamento.

 

- Yeshua foi um rabi mas não é Deus, os messiânicos são cristãos politeístas.

R. Os messiânicos não acreditam em três deuses, mas em um só Deus, sendo Yeshua parte dessa unidade.

“Não ficarei mais no mundo, mas eles ainda estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, protege-os em teu nome, o nome que me deste, para que sejam um, assim como somos um.  João 17:11”

 

- Judeu que é judeu não se converte.

R. Quando o Ruach HaKodesh toca um coração, não há pessoa que não seja transformada por Ele.

 

- Os messiânicos são cristãos querendo converter os judeus.

R. Os messiânicos se originaram entre judeus que queriam levar o conhecimento do Messias judeu aos judeus, mas com o passar dos anos muitos gentios se identificaram com a mensagem e se uniram ao movimento.

Tal como na antiguidade muitos gentios se tornaram “tementes a Deus” e aderiram ao judaísmo na diáspora, hoje muitos cristãos veem no judaísmo messiânico um retorno às suas raízes e colaboram com ele.

 

Dos cristãos recebemos perguntas (ou afirmações) como estas:

- Os messiânicos querem judaizar a Igreja levando-a ao legalismo.

R. Os messiânicos têm como alvo primário os judeus não crentes em Yeshua e, eventualmente, serão convertidos alguns gentios a Yeshua.

Gentios serão sempre bem-vindos ao meio messiânico, mas não é o propósito primário transformar crentes gentios em judeus messiânicos, nem transformar igrejas em sinagogas.

Eventualmente pode-se ensinar alguma coisa útil para a Igreja, mas não é esse o alvo do movimento.

 

- Os messiânicos vivem o legalismo do judaísmo, estão debaixo da lei.

R. Os messiânicos obedecem à Torá em tudo o que ela manda relativo ao viver dos judeus como aliança com o Eterno. Entendemos que as alianças permanecem válidas para os judeus e que os gentios tem a sua própria aliança.

Contudo, se um gentio deseja aderir ao movimento judaico messiânico, então ele se colocará debaixo das mesmas alianças, mas não é obrigado a isso.

 

- Muitos “messiânicos” ensinam na Internet que a Igreja deve restaurar as suas raízes judaicas para ser mais bíblica.

R. O que faz uma igreja ou um crente mais bíblico, não é celebrar as festas dos judeus, não é usar kipá ou talit, nem tocar o shofar ou falar hebraico, mas viver avidamente os ensinos de Yeshua referentes à salvação, ter uma vida íntegra, honesta, que ame o próximo e compartilhe as Boas Novas, que ore e seja cheio do Ruach HaKodesh.

O que vemos bastante nas redes sociais são “para-messiânicos” ou “pseudo messiânicos” que eram crentes que se tornaram judaizados e querem ser mais judeus do que os judeus, e que acham que a Igreja deve se tornar uma sinagoga cheia de tradições judaicas e assim abafar a ação do Espírito de Deus. Dizem que a Igreja precisa ser restaurada porque está cheia de erros e abstenções.

É verdade que existem erros nas igrejas, mas também é verdade que existem erros nas sinagogas e até nas congregações messiânicas, existem erros onde os homens colocam as mãos.

 

 

Até dos que se dizem messiânicos (nem judeus nem cristãos) recebemos perguntas (ou afirmações) como estas:

- Devemos obedecer às instruções dos rabinos sábios da antiguidade e seguirmos rigidamente as tradições e costumes para sermos santos.

R. Se for um rabino messiânico cheio do Ruach eu até posso considerar em analisar o conteúdo dos seus ensinos, mas um rabino tradicional, que odeia os messiânicos. e os cristãos, que não tem o Ruach para dirigi-lo no entendimento da Torá, a esse eu não darei crédito, por mais que tenha inteligência para tirar proveito de algumas instruções da Torá, ele jamais será inspirado para extrair as profundidades da sabedoria do Criador.

 

- Devemos usar os judeus ortodoxos como referência de judaísmo.

R. A referência de judaísmo que devemos seguir é o modelo da Torá, não das tradições.

Muitas tradições ortodoxas são baseadas em entendimento humano de rabinos, talmude e até a kabalá. Muitas dessas tradições são também fundamentadas em superstições e tradições não judaicas.

Não temos que copiar os ortodoxos, temos que ser uma opção para os judeus, pois para sermos iguais ao que eles já têm, para que eles teriam que mudar e crer em Yeshua?

 

- Devemos nos afastar e repudiar o cristianismo devido à sua cultura “greco-romana”.

R. O judaísmo messiânico nasceu de judeus que eram egressos de igrejas evangélicas, mas sentiram a necessidade de trazer para Jesus outros judeus que não entrariam nas igrejas devido às suas reservas para com o cristianismo, se não fosse por isso eles teriam permanecido nas suas igrejas de origem.

Durante séculos as pessoas tem sido salvas nas igrejas que pregam as Boas Novas da mensagem o Messias, mesmo que haja alguma falha na sua cultura.

Não se pode considerar que o Eterno fecharia as portas da redenção a milhões de pessoas ávidas de salvação, só porque a Igreja abandonou alguns itens da cultura judaica ao longo das gerações.

 

Agora eu pergunto;

- Qual deve ser a diferença entre uma sinagoga messiânica e uma tradicional?

R. A sinagoga messiânica deve ter VIDA e vida com abundância.

 

Do mesmo modo que os evangélicos não buscam aceitação das religiões cristãs tradicionais, também os messiânicos não devem buscar aceitação do judaísmo tradicional, porque isso nunca ocorrerá.

 

Assim, devemos ser grandes conhecedores das mensagens de Yeshua para podermos responder adequadamente às perguntas que Kefa disse no primeiro texto, saiba a razão da esperança que há em você.

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

Carta aos Hebreus - Parte 2

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais