Duas vacas atreladas a um jugo, canga de madeira.

Jugo desigual

08/05/2022
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Algumas pessoas confundem JUGO com JULGO, mas vamos definir bem o que significa.

Julgo é a conjugação da primeira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo julgar (eu julgo).

Jugo é uma peça de madeira usada para atrelar bois a carroça ou arado; também chamado canga.

Uma canga poderia ser usada para atrelar até dois bois em uma peça, mas nunca animais diferentes, isso será chamado jugo desigual.

Pois duas forças diferentes não se harmonizam, um atrapalha o outro e não dá certo.

No exemplo de usar um boi e um burro na mesma canga, imagine se o boi quiser andar e o burro empacar, ou mesmo que os dois andem juntos, um será mais forte do que o outro e ficará desiquilibrado causando ferimentos em ambos e a impossibilidade de serem controlados como deveriam.

Por causa disso que a Torá não recomenda essa arrumação.


Vamos ver como a Torá aplica essa ilustração para nós;

Duas pessoas andarão juntas se não estiverem de acordo? Amós 3:3

Após a chamada de Avraham, que tinha uma esposa que o apoiava em tudo, houve uma preocupação por parte do patriarca para que o seu filho não se casasse com mulheres da região onde moravam, mas preferiu que a noiva de Isaque fosse de sua parentela.

Não sabemos de todos os detalhes que o levaram a decidir sobre isso, mas podemos imaginar que, por saber como eram os costumes dos povos de Canaã ele deveria saber que uma esposa da região não iria assimilar as diretrizes que ele havia recebido do Eterno sobre a sua descendência, os costumes pagãos locais acabariam dificultando que o seu filho mantivesse o foco no Deus que lhe aparecera em Harã. Já com uma esposa da parentela e morando distante dos parentes, seria mais fácil que Isaque tivesse apoio de sua esposa em seus projetos de família e passasse a conhecer o Deus de Avraham, e ainda vemos a mão do Eterno em preparar a pessoa certa para a vida do seu filho.

O mesmo aconteceu com Jacó, mas vejamos a situação do seu irmão Esaú.

Esaú não se importava com a sua descendência, não era fiel ao Deus do seu pai, casou-se com quem teve vontade, possivelmente apenas impressionado com a aparência da noiva, mas pouco se importando com a qualidade espiritual da mesma, e isso com mais de uma esposa.

Esta é a história da família de Esaú, que é Edom.

Esaú casou-se com mulheres de Canaã: Ada, filha de Elom, o hitita, e Oolibama, filha de Aná e neta de Zibeão, o heveu; e Basemate, filha de Ismael e irmã de Nebaiote. Gênesis 36:1-3

Com essas mulheres a descendência de Esaú formou o povo Edomita que foi um tropeço para os israelitas por muitos séculos.


O Eterno nunca gostou que o povo de Israel buscasse ajuda de nações vizinhas para resolver as suas dificuldades e também não deveriam se misturar com outros povos;

Não façam aliança com eles nem com os seus deuses.

Não deixem que esses povos morem na terra de vocês, senão eles os levarão a pecar contra mim, porque prestar culto aos deuses deles será uma armadilha para vocês. " Êxodo 23:32,33

Espiritualmente este seria o famoso jugo desigual, é mais fácil o lado errado arrastar o que procura servir ao Eterno para a desobediência do que ao contrário.


Casamentos desiguais já causaram muitos problemas na Torá, vejamos alguns;

Moisés casou-se com uma midianita possivelmente de origem cuxita.

Durante quarenta anos parece que viveram bem, mas depois da sua chamada para livrar Israel ela não se identificou muito, revoltou-se com a circuncisão dos filhos e não ficou com ele no Egito, em algum momento Moisés a mandou de volta para Midiã, para o seu sogro juntamente com os filhos.

Mesmo depois de retornar com Jetro quando já estavam peregrinando no deserto, nunca mais vemos o nome de Zípora aparecer na Torá, foi um nome apagado. Ela não tornou a vida de Moisés mais fácil.


Alguns homens não foram muito felizes com suas esposas, principalmente os que tinham mais de uma mulher;

Havia certo homem de Ramataim, zufita, dos montes de Efraim, chamado Elcana, filho de Jeroão, neto de Eliú e bisneto de Toú, filho do efraimita Zufe.

Ele tinha duas mulheres; uma se chamava Ana, e a outra Penina. Penina tinha filhos, Ana, porém, não tinha.

Todos os anos esse homem subia de sua cidade a Siló para adorar e sacrificar ao Senhor dos Exércitos. Lá, Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli, eram sacerdotes do Senhor.

No dia em que Elcana oferecia sacrifícios, dava porções à sua mulher Penina e a todos os filhos e filhas dela.

Mas a Ana dava uma porção dupla, porque a amava, mesmo que o Senhor a houvesse deixado estéril.

E porque o Senhor a tinha deixado estéril, sua rival a provocava continuamente, a fim de irritá-la. 1 Samuel 1:1-6

Por se casar com uma mulher rixosa, vivia em um ambiente familiar conflituoso.


O rei David casou-se com a filha do rei Shaul porque ganhou uma competição de quem matava mais filisteus, ela podia ser bonita e importante, mas não ajudava o seu marido e o criticou por adorar ao seu Deus com danças, acabou ficando estéril.

Voltando Davi para casa para abençoar sua família, Mical, filha de Saul, saiu ao seu encontro e lhe disse: "Como o rei de Israel se destacou hoje, tirando o manto na frente das escravas de seus servos, como um homem vulgar! "

Mas Davi disse a Mical: "Foi perante o Senhor que eu dancei, perante aquele que me escolheu em lugar de seu pai ou de qualquer outro da família dele, quando me designou soberano sobre o povo do Senhor, sobre Israel; perante o Senhor celebrarei e me rebaixarei ainda mais, e me humilharei aos meus próprios olhos. Mas serei honrado por essas escravas que você mencionou".

E até o dia de sua morte, Mical, filha de Saul, jamais teve filhos. 2 Samuel 6:20-23

David escolheu mal, tinha uma esposa que não era interessada no Eterno.


O seu filho Salomão também fez más escolhas;

O rei Salomão amou muitas mulheres estrangeiras, além da filha do faraó. Eram mulheres moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hititas.

Elas eram das nações sobre as quais o Senhor tinha dito aos israelitas: "Vocês não poderão tomar mulheres dentre essas nações, porque elas os farão desviar-se para seguir os seus deuses". No entanto, Salomão apegou-se amorosamente a elas.

Casou com setecentas princesas e trezentas concubinas, e as suas mulheres o levaram a desviar-se.

À medida que Salomão foi envelhecendo, suas mulheres o induziram a voltar-se para outros deuses, e o seu coração já não era totalmente dedicado ao Senhor, o seu Deus, como fora o coração do seu pai Davi. 1 Reis 11:1-4

Salomão não errou na escolha somente de uma mulher, mas errou com muitas e o resultado disso não foi somente uma perda pessoal, mas um grande prejuízo para a nação de Israel.


Outro caso típico foi o rei Acabe;

Acabe, filho de Onri, fez o que o Senhor reprova, mais do que qualquer outro antes dele.
Ele não apenas achou que não tinha importância cometer os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, mas também se casou com Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônios, e passou a prestar culto a Baal e adorá-lo.
No templo de Baal, que ele mesmo tinha construído em Samaria, Acabe ergueu um altar para Baal.
Fez também um poste sagrado. Ele provocou a ira do Senhor, o Deus de Israel, mais do que todos os reis de Israel antes dele.
1 Reis 16:30-33

A influência da esposa do rei foi tamanha, que levou o rei a instituir a pior era de idolatria na Terra de Israel de toda a sua história, sendo que somente Elias e mais sete mil israelitas não dobraram os seus joelhos aos ídolos.


O jugo desigual produzindo vítimas!


As restrições impostas pelo Eterno quanto a essas misturas não têm cunho étnico, não é uma questão de manter uma linhagem pura de DNA preservado, isso nunca foi o propósito divino, mesmo porque o povo hebreu não é um grupo biologicamente puro, de uma linhagem sem mistura, todos os filhos de Jacó se casaram com mulheres fora da família, sem dúvida se misturaram quando estiveram no Egito, o que eles tinham em comum era uma promessa familiar de se tornarem um povo, e assim foi.

Pessoas importantes na história foram introduzidas e fizeram parte inclusive da linhagem do rei David, como Raabe a prostituta cananita de Jericó que casou-se com um hebreu e foi ascendente do rei e também Ruth, a moabita que abençoou a sua sogra judia, casou-se com um judeu que também estava na linhagem de David, mas todas elas foram fiéis ao Deus de Israel e foram abençoadas.

De onde concluímos que as restrições a Israel quanto a misturas têm a ver com a questão de espiritualidade, união de pessoas com valores espirituais distintos são contra indicados.

Podemos confirmar isso quando Israel foi assediado por mulheres moabitas envidadas pelo rei Balaque para pecarem contra o Eterno, muitos do povo foram seduzidos por essas mulheres e deixaram as instruções recebidas através de Moisés e foram após os deuses de Moabe.

Resultado, milhares morreram pela praga enviada pelo Criador, como consequência do jugo desigual.


Encontramos vários tipos de casamentos no Tanach, alguns foram feitos fora dos padrões e sempre produziram resultados desagradáveis, como por exemplo;

Oséias o profeta, a mulher com quem se casou adulterou e se prostituiu, acabou sendo um meio do Eterno mostrar ao reino do Norte (Israel), como estava o seu relacionamento religioso.

O Senhor me disse: "Vá, trate novamente com amor sua mulher, apesar de ela ser amada por outro e ser adúltera. Ame-a como o Senhor ama os israelitas, apesar de eles se voltarem para outros deuses e de amarem os bolos sagrados de uvas passas". Oséias 3:1

O profeta sofreu pelo comportamento da mulher, contudo ele pode perdoa-la de tudo o que “aprontou” porque o Eterno garantiu o seu arrependimento.

O Eterno usou a situação como já tinha usado o pecado de muitos antes, mas as consequências dos erros duram muito tempo. Oséias poderia não ter passado por todo o sofrimento que passou se tivesse sido mais criterioso antes de casar. Nem toda má escolha pode ter o resultado mudado para um final feliz, portanto é bom prevenir antes.


Podemos analisar também o caso de Ester.

O seu casamento com o rei Xerxes foi bem fora dos padrões, porém enquadra-se no plano do Eterno.

Ora, o rei gostou mais de Ester do que de qualquer outra mulher, e ela foi favorecida por ele e ganhou sua aprovação mais do que qualquer das outras virgens. Então ele lhe colocou uma coroa real e tornou-a rainha no lugar de Vasti. Ester 2:17

Hadassa, que era o seu nome judaico, foi levada pelas autoridades para a seleção de uma noiva para o rei, não foi escolha dela, mas o apoio do seu pai adotivo Mordechai foi fundamental para manter o seu contato com a fé judaica. Não temos referências para afirmar que ela amava o seu marido, mas sabemos apenas que o respeitava e era submissa. Ela foi uma peça chave para o livramento dos judeus. Xerxes foi assassinado no ano de 465 AEC, tendo reinado por vinte e um anos, não sabemos por quanto tempo Ester esteve casada com ele, mas não teve filhos.

Se Ester não tivesse sido escolhida pelo rei, Mordechai não teria ficado no caminho de Hamã e não teria despertado a sua fúria para destruir os judeus, e a catástrofe só não chegou a termo por ação do Eterno.


Já no Brit Chadashá temos algo para comentar.

Shaul fez muitos comentários pertinentes;

Não se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que têm em comum a justiça e a maldade? Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas?

Que harmonia entre o Messias e Belial? Que há de comum entre o crente e o descrente?

Que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois somos santuário do Deus vivo. Como disse Deus: "Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo".

Portanto, "saiam do meio deles e separem-se", diz o Senhor. "Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei" "e lhes serei Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas", diz o Senhor Todo-poderoso. 2 Coríntios 6:14-18

Está claro que Shaul se refere a todo tipo de sociedade, seja comercial, seja de política ou seja de afinidade.

É por aqui que devemos usar uma importante qualidade que nos foi dada pelo Eterno, a sabedoria.

Colocar-se no mesmo jugo significa que estaremos atrelados lado a lado com a mesma carga e com o mesmo objetivo.

Se o nosso esforço é equilibrado, não há divergência, se há harmonia de objetivos, o resultado será bom, mas se um quer ir para um alvo e o outro não concorda e quer usar outro caminho, o jugo não funciona, irá ferir os dois e o alvo não será alcançado. O jugo serve para unir a força de dois animais, mas se for desigual mais atrapalha do que ajuda.

Por exemplo;

Dois sócios querem fazer um negócio lícito e rentável, mas um é dirigido pelo Eterno e quer fazer tudo dentro das regras e de forma legal e o outro é dirigido pela ganância, não se importa de usar recursos ilícitos desde que isso traga benefício e ganho. O que pode acontecer?

Se o justo ceder para não contrariar o sócio poderá se envolver em uma situação ilegal que poderá terminar com processos legais, multas ou prisão, o seu nome irá para a lama e estará em falta com o seu Deus.

Se o justo resistir a fazer atos ilegais poderá se desentender com o injusto e a sociedade pode se desfazer, mas o justo manterá a sua dignidade, contudo poderá acarretar prejuízos, perda de tempo e amizades rompidas. Seria melhor nem ter começado!


Já outro tipo de sociedade que é diferente em vários aspectos, mas que pode ter paralelos ao exemplo anterior, é o casamento.

O relacionamento entre duas pessoas de sexo distintos foi estabelecido pelo Eterno com o propósito de formar uma sociedade familiar onde o ser humano não apenas se multiplicaria, mas manteria uma existência gregária onde uma pessoa completaria a outra sendo companheiros e até mais, sendo dois em uma só carne. Essa associação é bem mais séria e complexa do que a anterior, pois uma sociedade comercial é facilmente dissolvida, mas a associação familiar não pode ser desfeita, o casal é um só corpo nunca deixarão de sê-lo, um rompimento apenas muda a classificação para ex-, quando não estão mais juntos, os filhos nunca deixarão de ser filhos biológicos, nem pela morte dos pais e nem mesmo se forem adotados por outros.

Por esta razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’. Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne.

Portanto, o que Deus uniu, ninguém o separe". Marcos 10:7-9

A despeito de muitas interpretações sobre o que significa “o que Deus uniu”, não está implícito que haja ação direta do Eterno na direção da união de um casal, mas seja como for que tenha sido feita a cerimônia de casamento, seja apenas formalização no cartório ou qualquer que seja a cerimônia religiosa, a consumação física do casal promove a fusão da carne.


Problemas com relacionamentos amorosos não são peculiaridade apenas dos nossos tempos, podemos dizer que fazem parte da natureza humana desde o Éden. E o que mais preocupa os pais é que começa cedo, na adolescência.

Os pais sabem que falta discernimento na mentalidade dos jovens e que os hormônios falam alto, tornando a união de um casal uma sociedade de alto risco.

Os pais tem uma responsabilidade apenas relativa na decisão dos filhos quando quiserem se associar a um parceiro ou parceira amorosos.

As pessoas que se moldam pelos valores seculares correrão sempre muito mais riscos de errarem em suas escolhas porque os seus padrões não são moldados pelo Eterno, já os que se pautam pela Torá sempre terão mais recursos para escolher melhor, mas mesmo assim não há garantias.

O que seriam as boas escolhas? Essa resposta não é simples e dependem de inúmeros fatores.

Começo afirmando que não existe um casal perfeito, que se afinam em todos os pontos e nunca se desentendam, então se alguém espera achar o par perfeito, desista agora ou nunca se casará, mas alguns pontos são essenciais.

O que leva um garoto ou uma garota a se interessarem em formar um par romântico, são os hormônios que o Eterno criou no nosso corpo, mas que começam a aparecer com uma certa idade. Esses hormônios mechem fortemente com as nossas emoções, e é aí que mora o perigo, lembrem-se;

O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa, e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo? Jeremias 17:9

Quando alguém sente atração por uma pessoa do sexo oposto, ela está reagindo de acordo com a ação dos seus hormônios, a isso podemos chamar de paixão, a paixão é um tanto irracional, ela é instintiva e por vezes foge da racionalidade e algumas pessoas ficam escravizadas pelas emoções (coração) e não enxergam o perigo que as vezes podem ameaçar.

Eu costumo sugerir, não tomem decisões importantes quando estão sob fortes emoções.

Quais são os maiores riscos que um casal apaixonado corre? O risco de se envolver em um jugo desigual, que começa nos primeiros contatos do namoro, mas que pode se tornar irreversivelmente grave depois do casamento.

Desejo compartilhar algumas dicas para quem quer usar a razão para evitar gravíssimos problemas futuros.

Para os que desejam viver uma vida plena da presença do Eterno, antes de qualquer outra coisa, tenha certeza de que a sua escolha seja uma pessoa que realmente tem compromisso com o seu Deus, pois alguém que não é dirigido pelo Ruach será dirigido pelo adversário, sei que é duro dizer isso mas é verdade, e o adversário é astuto e usará de tudo para enganar, um cônjuge que não anda ao seu lado para servir ao Eterno o arrastará para longe dEle, e o argumento que costumo ouvir de que depois o outro acabará vindo para o caminho é de pouquíssima probabilidade, o mais comum é o ímpio desencaminhar o justo.

Ah, mas a pessoa é tão boazinha e simpática! Eu digo, as aparências enganam, criminosos também podem ser muito simpáticos. Pelos frutos conhecerão a árvore.

"Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores.

Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas?

Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins.

A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons.

Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo.

Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!

"Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Mateus 7:15-21

Muitas pessoas cometem um grave erro dizendo “- Depois do casamento essa pessoa muda!” não é verdade, na maioria das vezes muda para pior.

Que garantia se pode ter de que a outra pessoa irá se converter ao Eterno e nascer de novo?

Esta uma grande responsabilidade que se for desprezada poderá trazer grande sofrimento por tal jugo desigual. É melhor prevenir.


Mas não é só o lado espiritual que conta, há outros fatores também que devem ser levados em conta, como projetos de vida coincidentes, nível intelectual, costumes familiares, interferência de familiares e parentes e muitas coisas semelhantes a essas. Mas isso são coisas de menor importância, alguém poderá pensar, mas eu respondo, pode parecer agora que a paixão esconde todos os defeitos, mas algo que incomoda agora precisa ser analisado de forma que, ou está disposto a relevar e suportar isso para sempre, porque nunca irá mudar, ou avalie se realmente não está disposto a ficar incomodado por muito tempo.

Isso também é jugo desigual.


Lembre-se, depois de atrelado ao jugo fica difícil se livrar dele.


É sempre bom perceber cedo estas coisas, pois quanto mais demorado for, mais se acostuma com o jugo e mais machuca continuar andando.


O único jugo que é fácil de carregar é o de Yeshua;

Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.

Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". Mateus 11:29,30

É melhor carregar um jugo sozinho do que mal acompanhado, e com Yeshua é bem mais fácil.

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

É importante a festa dos 50 dias?

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais