Um livro aberto com textos em hebraico e a borda de um talit cobrindo parte do livro

Carta aos Hebreus - Parte 6

15/10/2022
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Dando sequência ao estudo da carta aos hebreus, começaremos a meditar a partir do capítulo onze;

Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.

Pois foi por meio dela que os antigos receberam bom testemunho. Hebreus 11:1,2

Este texto é a definição mais completa sobre o que é confiar no Eterno e em sua palavra.

A palavra fé é sinônima de confiança.

Quando a nossa confiança é direcionada às palavras e promessas do nosso Criador ela assume um valor incomparável, porque aquele que confia no Eterno tem certeza absoluta da verdade intrínseca que nos é revelada na Torá.

Temos dois pontos importantes mostrados no texto;

O primeiro é que encontramos muitas promessas expressas na Torá, algumas delas nós já recebemos, mas outras ainda esperamos. Ao dizermos que esperamos, significa que exercitamos a “esperança”.

Vamos destrinchar a palavra esperança; diz o dicionário [expectativa, espera, aguardo]. No contexto natural o ser humano pode ter mais expectativas do que certezas quanto ao que pode confiar das coisas deste mundo.

Quando o homem deposita a sua expectativa na promessa feita por outra pessoa, o quanto podemos ter certeza de que essa promessa será cumprida?

Acredito que todos confirmarão que não podem confiar 100%, porque mesmo que a pessoa tenha realmente intensão de cumprir o que prometeu, circunstâncias alheias ao seu controle poderão impedir que isso ocorra e ela falhará com o acertado. Expectativas relacionas aos nossos planos podem ser frustradas por mudanças na natureza, mudanças na sociedade ou mudanças em nossas questões pessoais.

Costumamos ouvir de pessoas que contam com a chamada “sorte” coisas como, “fiz uma aposta e tenho esperança de que irei ganhar”, mas, qual é a garantia de que ela irá ganhar? Sabemos muito bem que a maior probabilidade é de que irá perder, então essa esperança é falha.

Tudo isso mostra que o nível de esperança que podemos ter é relativo.

Esperança está relacionada a esperar por alguma coisa, e essa espera pode ser frustrada no contexto físico e material, porque é uma espera incerta.

Já no que diz respeito às promessas do Eterno nosso Deus, a pessoa que confia, confia de tal forma que sabe com total confiança de que a promessa se realizará, ela não precisa de evidência, ela espera tão somente que aconteça no seu devido tempo e tem certeza absoluta de que não se decepcionará. Por isso que quantas mais promessa a pessoa conheça e nelas confie, maior é a sua fé.

O segundo ponto diz respeito a convicção das coisas que não vemos, ou seja, se está escrito na Torá que é verdade então é, o que tem confiança não duvida, por exemplo; a Torá descreve como foi a criação, nós não podemos ver como foi, temos apenas a descrição sintetizada registrada no livro de Gênesis, porém não temos dúvidas de que foi tal como descrito, mesmo não tendo todos os detalhes não duvidamos que o Criador fez existirem as coisas do que não existia, pela sua palavra cada coisa passou a existir, temos provas? Não, mas mesmo assim confiamos.

Esse nível de confiança é que agrada a Deus, e foi assim que desde a antiguidade todos os que confiam nele receberam um bom testemunho.


Confirmando o que dissemos, vamos ler;

Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que o que se vê não foi feito do que é visível. Hebreus 11:3

Aquilo que intriga os pesquisadores que não tem fé, já está fartamente descrito na Torá, enquanto procuram uma explicação sobre como tudo surgiu, levantam hipóteses, ideias fantasiosas, expõem explicações fora da realidade que levantam mais questões do que respondem.


Segue-se uma galeria de pessoas que entraram na história porque a sua confiança foi tal que ficou marcada para que possamos ser incentivados a copiar seus exemplos;

Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício superior ao de Caim. Pela fé ele foi reconhecido como justo, quando Deus aprovou as suas ofertas. Embora esteja morto, por meio da fé ainda fala. Hebreus 11:4

Conhecemos pouco sobre Abel, mas sabemos o suficiente para saber que ele agradou ao Eterno por apresentar uma oferta com sinceridade e correção.


Depois vem Enoque;

Pela fé Enoque foi arrebatado, de modo que não experimentou a morte; "ele já não foi encontrado porque Deus o havia arrebatado", pois antes de ser arrebatado recebeu testemunho de que tinha agradado a Deus. Hebreus 11:5

Este foi outro sobre o qual sabemos pouco, ele não deixou marcas de realizações humanas, não liderou multidões, não construiu monumentos, mas o Eterno o conheceu e se agradou dele. O relacionamento pessoal com Deus é mais importante do que as realizações externas.


O escritor da carta entendeu profundamente o que é estar na presença do Eterno;

Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam. Hebreus 11:6

A confiança é muito valorizada pelo Eterno e a recompensa é muito mais do que bens nesta vida.


Noé foi lembrado pela sua realização grandiosa, a construção de uma arca enorme, mas para o Eterno isso não foi o mais importante;

Pela fé Noé, quando avisado a respeito de coisas que ainda não se viam, movido por santo temor, construiu uma arca para salvar sua família. Por meio da fé ele condenou o mundo e tornou-se herdeiro da justiça que é segundo a fé. Hebreus 11:7

Quando o Eterno falou com ele, não havia nada que em que se basear para realizar tão grande empreendimento, nunca se construiu um barco tão grande, não havia conhecimento de engenharia para essa realização, não havia meio de transportar o barco para a água, nunca choveu a ponto de ter um enchente tão forte como o prometido, não havia a menor possibilidade de providenciar uma movimentação de animais como seria necessário para o projeto, ou seja, tudo era desfavorável para que acreditasse no que foi dito a ele.

Por ele ter tido fé, hoje podemos falar dele mesmo depois de passados milhares de anos, principalmente porque ele confiou no seu Deus.


Abraão não era uma pessoa diferente de nós, mas quando reconheceu que o Deus verdadeiro falou com ele, tomou a decisão de obedecer incondicionalmente;

Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se a um lugar que mais tarde receberia como herança, embora não soubesse para onde estava indo.

Pela fé peregrinou na terra prometida como se estivesse em terra estranha; viveu em tendas, bem como Isaque e Jacó, coerdeiros da mesma promessa.

Pois ele esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus. Hebreus 11:8-10

Quando recebeu a ordem de sair da sua terra com tudo o que era seu, por não saber nem para onde ia simplesmente seguiu a direção indicada por confiar e não questionar, confiando somente nas promessas que recebeu. Essas promessas foram compartilhadas com os seus descendentes diretos.


Há outro exemplo dado por Abraão;

Pela fé, Abraão — e também a própria Sara, apesar de estéril e avançada em idade — recebeu poder para gerar um filho, porque considerou fiel aquele que lhe havia feito a promessa.

Assim, daquele homem já sem vitalidade originaram-se descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e tão incontáveis como a areia da praia do mar. Hebreus 11:11,12

Mesmo tendo tropeçado em alguns momentos, ele aprendeu com a experiência a confiar cada vez mais.


Confiar sem uma prova ou evidência é a condição que agrada o Eterno;

Todos estes ainda viveram pela fé, e morreram sem receber o que tinha sido prometido; viram-nas de longe e de longe as saudaram, reconhecendo que eram estrangeiros e peregrinos na terra.

Os que assim falam mostram que estão buscando uma pátria.

Se estivessem pensando naquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar.

Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, pois preparou-lhes uma cidade. Hebreus 11:13-16

Entre as promessas recebidas, algumas não se cumpriram na vida destes heróis do Eterno, muitas só se cumpriram gerações posteriores e algumas nem se cumpriram ainda, mas isso não impediu que a confiança fosse total.


Um dos exemplos mais emblemáticos de confiança absoluta foi dado por Abraão;

Pela fé Abraão, quando Deus o pôs à prova, ofereceu Isaque como sacrifício. Aquele que havia recebido as promessas estava a ponto de sacrificar o seu único filho, embora Deus lhe tivesse dito: "Por meio de Isaque a sua descendência será considerada".

Abraão levou em conta que Deus pode ressuscitar os mortos; e, figuradamente, recebeu Isaque de volta dentre os mortos. Hebreus 11:17-19

Certas provas o Eterno só faz com quem ele já conhece, e Abraão venceu com honras.


Os descendentes de Abraão aprenderam alguma coisa;

Pela fé Isaque abençoou Jacó e Esaú com respeito ao futuro deles.

Pela fé Jacó, à beira da morte, abençoou cada um dos filhos de José e adorou a Deus, apoiado na extremidade do seu bordão.

Pela fé José, no fim da vida, fez menção do êxodo dos israelitas do Egito e deu instruções acerca dos seus próprios ossos. Hebreus 11:20-22

Isaque, Jacó e José demonstraram que a confiança os fez conhecer o seu Deus e os seus propósitos.


Não conhecemos detalhes da vida dos pais de Moisés, mas certamente o Ruach agiu na vida deles;

Pela fé Moisés, recém-nascido, foi escondido durante três meses por seus pais, pois estes viram que ele não era uma criança comum, e não temeram o decreto do rei. Hebreus 11:23

Eles arriscaram as suas vidas ao desobedecerem a ordem do rei e confiaram que a criança sobreviveria após ser colocada em um cestinho.


Ao crescer, Moisés foi trabalhado pelo Eterno e abriu seu coração para o direcionamento do Ruach;

Pela fé Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha do faraó, preferindo ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado durante algum tempo. Hebreus 11:24,25

A sua identificação com o seu povo foi obra do Espírito de Deus, e ele assumiu com honra a sua identidade.


Mesmo sem ter conhecimento do Brit Chadashá, ele já anteviu o Messias;

Por amor do Messias, considerou a desonra da riqueza maior do que os tesouros do Egito, porque contemplava a sua recompensa.

Pela fé saiu do Egito, não temendo a ira do rei, e perseverou, porque via aquele que é invisível. Hebreus 11:26,27

Ele sozinho, sem ter a Torá escrita ainda, pôde entender que o padrão de vida egípcio seria incompatível com sua consciência adquirida pela ação do Espírito do Eterno. Grande foi a sua fé.


Moisés levou o povo de Isrel a celebrar a sua saída do Egito antes de acontecer;

Pela fé celebrou a Páscoa e fez a aspersão do sangue, para que o destruidor não tocasse nos filhos mais velhos dos israelitas.

Pela fé o povo atravessou o mar Vermelho como em terra seca; mas, quando os egípcios tentaram fazê-lo, morreram afogados. Hebreus 11:28,29

Em um momento a confiança de Moisés animou o povo que nunca havia experimentado a realidade da existência do seu Deus, todos celebraram o Pessach, todos passaram o sangue na porta e todos foram salvos.

Quando viram as águas se abrirem diante de Moisés, tiveram certeza de que iriam passar em segurança, já os soldados egípcios apenas obedeceram às ordens de seus superiores e foram engolidos pelas águas.


Saltando agora para o tempo do governo de Josué, a primeira vitória da sua jornada foi emblemática;

Pela fé caíram os muros de Jericó, depois de serem rodeados durante sete dias.

Pela fé a prostituta Raabe, por ter acolhido os espiões, não foi morta com os que haviam sido desobedientes. Hebreus 11:30,31

Aqui o Eterno deixou claro que o seu povo poderia confiar que a vitória contra os seus inimigos não dependeria da força do seu braço, mas que a vitória viria claramente da mão do seu Deus.

Este evento também mostra como o Criador pode mudar a condição de amaldiçoada de uma pessoa que antes era inimiga, pois ao aderir ao povo eleito a mulher Raabe foi salva, não importando o fato de ser jericoita e nem por ser prostituta.


O autor da carta agora dá uma resumida nos heróis do período do TANACH;

Que mais direi? Não tenho tempo para falar de Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas, os quais pela fé conquistaram reinos, praticaram a justiça, alcançaram o cumprimento de promessas, fecharam a boca de leões, apagaram o poder do fogo e escaparam do fio da espada; da fraqueza tiraram força, tornaram-se poderosos na batalha e puseram em fuga exércitos estrangeiros. Hebreus 11:32-34

Todos os citados direta ou indiretamente tiveram experiências incontestáveis de que confiar no Eterno é garantia de viver eventos miraculosos que não poderiam nunca serem confundidos com casualidades.


Agora o autor avança para o período do Brit Chadashá, citando desde o período do ministério de Yeshua até o tempo após a sua ressurreição e glorificação;

Houve mulheres que, pela ressurreição, tiveram de volta os seus mortos. Alguns foram torturados e recusaram ser libertados, para poderem alcançar uma ressurreição superior. Hebreus 11:35

Mães receberam seus filhos mortos de volta, irmãs seu irmão.

Dos discípulos de Yeshua muitos foram martirizados, enfrentaram a morte e as ameaças de morte corajosamente. Mesmo que o medo fosse atroz, a esperança nas promessas do Messias os motivava a não desanimarem por terem certeza de que as promessas de vida eterna feitas por Yeshua eram verdadeiras.


Ainda que a descrição a seguir pareça distante da nossa realidade, ela foi real para muitos, começando no primeiro século;

Outros enfrentaram zombaria e açoites, outros ainda foram acorrentados e colocados na prisão, apedrejados, serrados ao meio, postos à prova, mortos ao fio da espada. Andaram errantes, vestidos de pele de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos e maltratados. Hebreus 11:36,37

Em certas localidades muitos dos filhos de Deus ainda vivem isso.

Enquanto vários de nós se intimidam com alguma zombaria, a ponto de esconderem o que realmente creem, outros temem uma reação negativa se a sociedade souber que creem em Yeshua.


É bom saberem que Yeshua falou sobre isso;

Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier em sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos. Lucas 9:26

Que ninguém se sinta enganado!


A conclusão ainda é;

O mundo não era digno deles. Vagaram pelos desertos e montes, pelas cavernas e grutas.

Todos estes receberam bom testemunho por meio da fé; no entanto, nenhum deles recebeu o que havia sido prometido. Hebreus 11:38,39

O mundo também não será digno de nós se formos fiéis ao nosso Messias.

Eles ainda não experimentaram o resultado final de todo o plano divino, mas aguardam junto conosco que tudo se cumpra.

Nunca desanime da sua confiança nas palavras daquele que nos amou tanto que deu a sua vida por nós.


Sem o que eles passaram, as palavras de Yeshua não teriam chagado até nós hoje em dia;

Deus havia planejado algo melhor para nós, para que conosco fossem eles aperfeiçoados. Hebreus 11:40

Não sabemos quando a redenção se concretizará, pode ser muito breve ou pode demorar um pouco mais, mas uma coisa é certa, dia a dia podemos ter certeza de que a nossa confiança não é vã, nós iremos vivenciar todas as promessas.


O autor da carta nos motiva com clareza, que cada um atente para a sua própria experiência de vida.


Esta é a sexta parte do estudo da carta aos judeus messiânicos.

Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

Servindo ao Eterno com excelência

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais