Rolo da Torá

A perdição na Torá

17/10/2021
Por Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


A questão da desobediência à vontade do Eterno afeta toda a humanidade desde o seu princípio.

A maioria das pessoas simplesmente escolhe ignorar o alerta sobre as consequências de realizarmos aquilo que afronta, ofende e leva o Criador a se irar contra o desobediente.

Muitos ignoram a existência de Deus porque simplesmente não lhes convém acreditar, porque se o fizessem teriam que mudar a maneira de pensar sobre a sua existência, teriam que deixar de fazer o que eles pensam ser o mais agradável para si mesmos, teriam que reconhecer os seus maus atos, teriam que se arrepender do que fizeram e teriam que ser humildes. Mas isso não lhes parece uma boa opção, é melhor ignorar que assim se vive melhor, assim pensam.

Bem! O Criador já sabia dessa tendência da sua criação e assim definiu regras, traçou um plano e o está executando a um tempo imensurável.

 

Então vemos que a queda do homem já era do conhecimento do Eterno desde o princípio da criação, Ele estabeleceu regras que, pela sua onisciência, já sabia que não seriam cumpridas.

E o Senhor Deus ordenou ao homem: "Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá". Gênesis 2:16,17

O primeiro casal humano pecou e as consequências foram bem graves, contudo, aprenderam sobre o arrependimento e sacrifícios para a expiação.

 

O conhecimento sobre o pecado foi passado de geração para geração ao longo de toda a história, e o processo de redenção também foi passado.

Se eu pecasse, me estarias observando e não deixarias sem punição a minha ofensa. Jó 10:14

Jó sabia dos sacrifícios expiatórios, pois os fazia para seus filhos.

Seus filhos costumavam dar banquetes em casa, um de cada vez, e convidavam suas três irmãs para comerem e beberem com eles.

Terminado um período de banquetes, Jó mandava chamá-los e fazia com que se purificassem. De madrugada ele oferecia um holocausto em favor de cada um deles, pois pensava: "Talvez os meus filhos tenham lá no íntimo pecado e amaldiçoado a Deus". Essa era a prática constante de Jó. Jó 1:4,5

Podemos deduzir que esse conhecimento foi passado desde Adan e Ava de geração em geração, pois eles ensinaram os seus filhos sobre o sacrifício, como vemos pela atitude de Abel.

 

Desde o princípio a orientação do Eterno tem sido sobre o restabelecimento da santidade do ser humano, para isso Ele nos deu a sua Palavra.

Guardei no coração a tua palavra para não pecar contra ti. Salmos 119:11

Não há outra maneira de evitarmos o mal, a não ser pelo conhecimento do que é o mal, e só podemos saber essas coisas através da revelação divina.

 

Cada vez mais o Eterno deixou claro o quanto é grave o pecado.

Respondeu o Senhor a Moisés: "Riscarei do meu livro todo aquele que pecar contra mim. Êxodo 32:33

Também ficamos sabendo que o pecado é de responsabilidade individual, e não coletiva.

Também encontramos nos profetas;

Aquele que pecar é que morrerá. O filho não levará a culpa do pai, nem o pai levará a culpa do filho. A justiça do justo lhe será creditada, e a impiedade do ímpio lhe será cobrada. Ezequiel 18:20

Não há como negar, nossos atos serão medidos.

 

Qualquer que seja a transgressão, a importância é tão grande diante de Deus, que é exigido um sacrifício de sangue para que a vida seja concedida ao homem.

"Quando alguém for culpado de qualquer dessas coisas, confessará em que pecou e, pelo pecado que cometeu, trará ao Senhor uma ovelha ou uma cabra do rebanho como oferta de reparação; e em favor dele o sacerdote fará propiciação pelo pecado. Levítico 5:5,6

Fica evidente que é necessário que a pessoa saiba que cometeu uma transgressão e se arrependa.

 

Aí entra a responsabilidade com que fomos investidos quando Yeshua nos ordenou a levarmos as informações da Torá a toda criatura, precisamos informar a todos.

Quando eu disser a um ímpio que ele vai morrer, e você não o advertir nem lhe falar para dissuadi-lo dos seus maus caminhos para salvar a vida dele, aquele ímpio morrerá por sua iniquidade; mas para mim você será responsável pela morte dele.

Se, porém, você advertir o ímpio e ele não se desviar de sua impiedade ou dos seus maus caminhos, ele morrerá por sua iniquidade, mas você estará livre de culpa. Ezequiel 3:18,19

 

Hoje em dia, não temos mais o templo em Jerusalém, não há mais o altar e também não há o serviço sacerdotal para que as pessoas levem as suas ofertas pelo pecado, mas o pecado continua a existir e as pessoas continuam precisando de perdão e santificação.

É, mas o nosso Deus não nos deixou sem opção, e na verdade, não só uma simples opção, mas sim o único recurso, Ele enviou Yeshua.

Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo. 1 João 2:2

Com esse recurso toda a humanidade tem agora ao seu alcance o recurso para adquirir vida eterna.

 

Esse recurso que temos agora não custou barato.

No passado cabia ao penitente tirar do seu rebanho ou comprar a oferta a ser apresentada ao sacerdote, o que não era algo tão leve para a maioria das pessoas, a ponto de ser autorizado que os mais pobres apresentassem a oferta conforme as suas posses, mas mesmo assim a oferta era apenas simbólica.

Porque, aquilo que a Torá fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na carne, a fim de que as justas exigências da Torá fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Romanos 8:3,4

E completando o pensamento;

A Torá traz apenas uma sombra dos benefícios que hão de vir, e não a realidade dos mesmos. Por isso ela nunca consegue, mediante os mesmos sacrifícios repetidos ano após ano, aperfeiçoar os que se aproximam para adorar.

Se pudesse fazê-lo, não deixariam de ser oferecidos? Pois os adoradores, tendo sido purificados uma vez por todas, não mais se sentiriam culpados de seus pecados.

Contudo, esses sacrifícios são uma recordação anual dos pecados, pois é impossível que o sangue de touros e bodes tire pecados. Hebreus 10:1-4

Estas afirmações não significam que tudo o que foi feito anteriormente tenha sido em vão, pois tudo o que é feito em obediência ao Eterno com confiança tem valor.

 

Sobre a importância da Torá Shaul disse aos irmãos da Galácia;

Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, a fim de que a promessa, que é pela confiança em Yeshua o Messias, fosse dada aos que creem.

Antes que viesse esta confiança, estávamos sob a custódia da lei, nela encerrados, até que a confiança que haveria de vir fosse revelada. Gálatas 3:22,23

A Torá orientou o povo de Israel, e os eventuais prosélitos, sobre a necessidade da justificação, então as ofertas eram feitas antecipando o sacrifício do Messias futuramente, sendo validadas se feitas com confiança.

 

O autor da carta aos messiânicos completa

Por isso, quando o Messias veio ao mundo, disse: "Sacrifício e oferta não quiseste, mas um corpo me preparaste; de holocaustos e ofertas pelo pecado não te agradaste".

Então eu disse: Aqui estou, no livro está escrito a meu respeito; vim para fazer a tua vontade, ó Deus.

Primeiro ele disse: "Sacrifícios, ofertas, holocaustos e ofertas pelo pecado não quiseste, nem deles te agradaste" (os quais eram feitos conforme a Lei).

Então acrescentou: "Aqui estou; vim para fazer a tua vontade". Ele cancela o primeiro para estabelecer o segundo.

Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Yeshua o Messias, oferecido uma vez por todas. Hebreus 10:5-10

O Messias como parte integrante do Eterno, pré-existente na eternidade, não tinha um corpo material, não tinha carne e nem sangue, e por isso não poderia ser sacrificado e nem ter o sangue derramado como oferta. Seria necessário que Ele viesse ao mundo como ser humano para ter os requisitos necessários para ser ofertado como korban.

Assim, o preço pago agora pelas nossas transgressões custaram ainda mais caro do que custaria no passado, pois nem podemos avaliar o preço do sangue do Messias, mas o Eterno pagou o preço para nós.

 

Sem a vinda do Messias, as pessoas da primeira aliança estariam perdidas, mesmo que tivessem feito todo o ritual ordenado por Moshé, pois Isaías já recebera o esclarecimento de que o sacrifício messiânico validaria todo sangue derramado no altar pelos que confiavam no Eterno.

Por isso eu lhe darei uma porção entre os grandes, e ele dividirá os despojos com os fortes, porquanto ele derramou sua vida até à morte, e foi contado entre os transgressores. Pois ele carregou o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores. Isaías 53:12

O sacrifício do Messias validou o perdão dos pecados dos antepassados e garantiu o perdão dos fiéis do futuro.

 

A perdição é uma realidade para os que não querem valorizar o plano do Eterno.

Quão mais severo castigo, julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés o Filho de Deus, que profanou o sangue da aliança pelo qual ele foi santificado, e insultou o Espírito da graça? Hebreus 10:29

Muitos não fazem a menor ideia do que os espera no dia do juízo, vivem como se nunca fossem morrer e não consideram a possibilidade da perdição.

 

O final está bem descrito no Brit Chadashá.

Vi também os mortos, grandes e pequenos, de pé diante do trono, e livros foram abertos. Outro livro foi aberto, o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros. Apocalipse 20:12

Ignorar a perdição não a eliminará, não crer nela também não a fará deixar de existir, triste é a realidade revelada quando um ímpio morre para este mundo, mas logo a seguir se vê diante da verdade do que o Eterno definiu para o homem.

 

Portanto, podemos valorizar imensamente a grande salvação que nos é oferecida, sejamos devidamente gratos ao Criador.

Por isso é preciso que prestemos maior atenção ao que temos ouvido, para que jamais nos desviemos.

Porque se a mensagem transmitida por anjos provou a sua firmeza, e toda transgressão e desobediência recebeu a devida punição, como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? Esta salvação, primeiramente anunciada pelo Senhor, foi-nos confirmada pelos que a ouviram. Hebreus 2:1-3

Permaneçamos no amor de Deus e não precisaremos nos preocupar com qualquer possibilidade de perdição.


Escrito por

Rosh Gilberto Branco

Tempo de leitura: minutos


Compartilhe:


Leia também:

Chanucá

Vai um cookie aí?

Nós utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies.

Saiba Mais